TRADUZA A PAGINA NA LINGUA DESEJADA DEUS VOS ABENCOE.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013


Cristã Indígena enfrenta repetidos ataques na Colômbia

A jovem tem sofrido ameaças e ataques porque decidiu que seria melhor não se manter em silêncio, mas sim aumentar a conscientização sobre os abusos cometidos contra cristãos indígenas
Colombia Arhuaca.jpg

"Nós estamos cientes de sua atividade em Bogotá", disse a voz masculina anônima ao telefone. "Estamos mantendo olhos e ouvidos em você, para saber o que você vai dizer."

A ligação para o celular da líder cristã Arhuaca, Elizabeth Torres aconteceu uma semana antes da mesma falar, no primeiro fórum realizado pela Portas Abertas, sobre os direitos do indígena cristão da Colômbia, em Bogotá.
Seu testemunho foi para recontar a perseguição cruel que sua família cristã e outras 46 famílias também cristãs da etnia Arhuaca, sofreram por causa de sua fé.
Cerca de 300 pessoas, incluindo o governo e funcionários encarregados dos direitos humanos, cristãos indígenas e representantes dos meios de comunicação, vieram para ouvir em primeira mão os relatos dos repetidos abusos cometidos contra os povos indígenas que abraçam o Evangelho.
Elizabeth sabia que sua participação poderia colocá-la em perigo; no entanto, como os outros participantes, ela disse aos colaboradores da Portas Abertas que seria melhor não manter em silêncio, mas sim aumentar a conscientização sobre os abusos cometidos contra os cristãos indígenas.
No final do fórum, ela embarcou em um ônibus para a viagem de 16 horas de Bogotá para sua casa no norte da Colômbia. Um homem que entrou no ônibus, se aproximou por trás dela.
"Eu sou uma das pessoas que estão assistindo você," ele disse a ela. "Nós sabemos com quem você estava em Bogotá e o que você está tentando fazer."
Elizabeth prendeu a respiração e permaneceu em silêncio, orando em voz baixa pedindo a Deus por proteção.
Uma semana depois, em sua comunidade, dois homens em uma motocicleta a pararam. Eles se identificaram como líderes indígenas da organização que tem atacado cristãos e disseram que ela deveria parar de acusá-los e ao contrário do que vinha fazendo, trabalhar para eles como uma informante. Seu trabalho consistiria em contar-lhes os movimentos, atividades e projetos dos cristãos indígenas. Em troca ela receberia um salário mensal que lhe permitiria viver confortavelmente e apoiar seus pais e sua filha.
Ela não disse nada, e os homens saíram em sua motocicleta. Com muito medo, no dia seguinte Elizabeth relatou o que havia acontecido ao Ministério Público, culpando a organização tradicionalista indígena se alguma coisa acontecesse com ela ou sua família.
Em seguida ela mudou seu número de telefone, reduziu suas atividades, e começou a variar sua rota de viagem ao redor da cidade para impedir as chances de ataques físicos.
Mesmo tendo tantos cuidados, um tempo depois, ela recebeu um telefonema em seu novo número. Um homem jurou para ela antes de lhe dizer que ele e um grupo de pessoas tentaram raptá-la em casa. O que os impediu, segundo ele, foi a presença de cerca de 20 homens uniformizados militarmente ao redor de sua casa.
"Você acha que isso vai nos assustar? Agora você tem o exército para protegê-la, mas eles não vão estar sempre disponíveis para acompanhá-la", disse ele.
Eliza ficou chocada. Ela nunca teve qualquer ligação com o exército, apenas orou para que Deus enviasse anjos para guardar sua vida e sua casa.
"O que aconteceu é que eu tenho um Deus que me protege e que enviou seus anjos para me guardar", ela disse a quem estava ligando. "Você vai ter problemas se continuar me perseguindo."
O homem lhe disse que ele e seu grupo por várias vezes haviam tentado tomar medidas contra ela, mas simplesmente não conseguiam. "Agora eu entendo que você é realmente uma verdadeira cristã", disse ele. "Mas cuidado, porque outros podem procurar por você e conseguir pegá-la."
Ela expressou seus temores, por meio de um e-mail, a um trabalhador da Portas Abertas: "Como eu lhe disse, esta é uma luta, mas o Senhor em Sua Palavra nos diz: Não tenha medo. Eu estou com você. E isso é o que eu tenho feito: confiar no Senhor. Mas eu tive que mudar meu número de telefone. Perdoe-me por não ter te ligado, ou me comunicado, mas às vezes eu sinto medo."
A necessidade de defender
Desde 2009, a Portas Abertas tem auxiliado Elizabeth e outras famílias a reivindicarem os seus direitos como indígenas colombianos. Devido a erros de interpretação da lei, o Tribunal Constitucional violou seus direitos fundamentais à posse da terra e dignidade.
O fórum da Portas Abertas no qual Elizabeth participou, "Autonomia e justiça indígena: Licença para violar os direitos humanos?" excedeu as expectativas de ajuda da Portas Abertas.*
Elizabeth, 23 anos, mãe e estudante de engenharia de sistemas, falou sobre o deslocamento e as práticas de maus tratos que ela e sua família têm sofrido, desde 2006, quando líderes indígenas tradicionalistas detiveram a comunidade de cristãos em massa e os mantiveram sem comida ou água por três dias. Em seguida, os militantes da FARC os removeram à força de suas casas e terras.
Tanto os guerrilheiros como os líderes indígenas tradicionalistas se opõem à Igreja. Grupos ilegais de esquerdistas armados da Colômbia acreditam que a Bíblia faz uma lavagem cerebral nos cristãos e que os cristãos são informantes para os Estados Unidos e para os governos Colombianos que nunca apoiarão sua revolução. Os tradicionalistas líderes indígenas acreditam que o Cristianismo ameaça tradições ancestrais, e se aliaram com as guerrilhas da FARC ativas na região montanhosa ao norte de Cesar para expulsar os indígenas que abraçam o cristianismo.
Poucas semanas depois que Elizabeth havia dado à luz, ela, seu bebê e sua mãe, Raymunda, foram presos por uma semana sem comida ou líquido. Depois que elas fugiram, encontraram seu pai, Juan, em uma cidade próxima. A própria prisão de Juan durou três meses, durante os quais ele ficou gravemente desnutrido, perdeu as habilidades motoras e parte de sua visão.
Eventualmente, as outras 45 famílias que haviam sido expulsas chegaram na cidade de Valledupar, onde se juntaram à Associação dos Indígenas Deslocados, fundada em 2007 para procurar a ajuda do governo local. Mas, apesar desses esforços, a influência de líderes indígenas tem impedido as autoridades civis em Valledupar de ajudar os cristãos. Os líderes argumentam que aqueles que optam pela fé cristã, na verdade, renunciam suas identidades indígenas, perdendo assim todos os direitos tribais e benefícios, incluindo terra, alimentação e educação.
Algumas famílias optaram por renunciar aos seus direitos como indígenas. Consequentemente, eles trabalham em qualquer emprego disponível para sobreviver em uma cidade onde não podem usar sua língua nativa Arhuaco ou trabalhar em suas ocupações anteriores, como os produtores de café.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MEDITE NISSO

Recadoseglitters.com

JESUS ESTA VOLTANDO E TE CONVIDA A SEGUI-LO E VC QUAL E A SUA DECISÃO?


Jesus Cristo - Recados Para Orkut

Ocorreu um erro neste gadget